CASA DO POVO

CASA DO POVO

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Governo deve liberar R$ 28 bilhões do FGTS em 2019 e R$ 12 bilhões em 2020

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
A previsão da equipe econômica do governo Jair Bolsonaro é de uma injeção de R$ 30 bilhões, sendo R$ 28 bilhões de saques do fundo e mais R$ 2 bilhões de contas do PIS/Pasep ainda este ano. Neste ano, a injeção de recursos com a liberação de dinheiro do FGTS precisa ser maior diante do ritmo fraco da economia. O governo espera que o crescimento econômico do país pule das previsões de 0,8% para algo na casa de 1%. 
De acordo com o jornalista Valdo Cruz, do G1, para 2020, a equipe planeja liberar R$ 12 bilhões no ano que vem com a adoção da nova modalidade de saque anual de um percentual do saldo das contas de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores. Já no ano que vem, a liberação extra de recursos do FGTS pode ser menor porque a expectativa é que o Brasil já esteja crescendo mais.
Segundo o blog, a proposta para uma decisão final do presidente Jair Bolsonaro é liberar, neste ano, saques de até R$ 500 por conta ativa e inativa. Ou seja, se o trabalhador tiver uma conta inativa e duas inativas, ele poderia sacar no máximo R$ 1,5 mil. A liberação começaria em setembro e injetaria na economia R$ 28 bilhões, de acordo com a equipe.
Atualmente, existem cerca de 260 milhões de contas ativas e inativas de FGTS. Deste total, cerca de 211 milhões, em torno de 80%, têm saldo de até no máximo R$ 500. A Caixa espera zerar essas contas, reduzindo seu custo operacional. Para clientes com conta no banco, a instituição fará um depósito automático do valor na conta do trabalhador.

Como vai funcionar

O governo vai adotar a modalidade de saque anual na data de aniversário do trabalhador. Será uma modalidade opcional, na qual o cotista vai poder retirar um percentual do saldo de seu FGTS. Caso o trabalhador faça essa opção, ele abre mão da possibilidade de fazer um saque integral no momento de uma demissão sem justa causa e seguiria fazendo retiradas anuais até zerar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário